idioma

Notícias - Simulador

DETRAN/AC regulamenta uso de simulador de direção veicular

23 de Junho de 2014

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran) publicou hoje, 20, no diário oficial a portaria nº 1090/2014, que regulamenta a utilização de simulador de direção veicular durante o processo de formação do condutor. A partir de agora as autoescolas podem optar pelo uso compartilhado do simulador ou ainda requerer a substituição das aulas em simulador por aulas práticas de direção veicular.

A substituição será facultativa aos centros de formação de condutores credenciados que estão estabelecidos em municípios cujo números de habilitações por mês sejam inferior a 30 emissões e que sua sede esteja há mais de 50 quilômetros de outro município que também emita mais de 30 habilitações por mês.

A diretora-geral do Detran, Sawana Carvalho, alerta que o Brasil ocupa o 5º lugar no macabro ranking de mortes no trânsito, com mais de 42 mil óbitos ao ano. "As políticas públicas de segurança no trânsito estão sendo constantemente repensadas e adequadas para combater esses índices", disse.

Sawana acrescentou ainda a importância do fortalecimento do processo de formação do futuro condutor: "O simulador vem justamente somar nesse processo. Durante a experiência com o equipamento os alunos são expostos a situações de risco impensáveis em uma aula prática real. O princípio é o mesmo que rege o treinamento de pilotos de avião, antes de entregar ao comandante a condução de uma aeronave com seus passageiros".

A Associação Nacional dos Detrans (AND) realizou levantamento onde estudos feito com as primeiras turmas gaúchas mostram que o percentual de reprovados no primeiro exame caiu de cerca de 80% para quase zero, embora o número de aulas práticas solicitadas pelos alunos tenha se reduzido. No Acre, onde os simuladores são igualmente obrigatórios, esse cenário também se repete. O mesmo número caiu para aproximadamente 56% quando não houve interação do candidato com o simulador.

O corregedor do Detran, Fábio Eduardo, destaca ainda que após o uso do equipamento, o número de aulas práticas teve alteração. "Antes da resolução eram necessárias um mínimo de 20 horas aulas, os alunos realizavam em média 28 horas aulas. Com o simulador esse número baixa para 25. Isso porque o equipamento também está possibilitando mapear as principais infrações cometidas pelos aprendizes para reorientar as aulas práticas.", analisa.

Fábio complementa: "Com a implantação dos simuladores, o aluno tem seu reconhecimento biométrico a cada aula o que impede gestão fraudulenta do controle de presença".

Fonte:

www.and.org.br
voltar